Marcos Mion e Nadja Pessoa são os grandes vencedores de A Fazenda 10

A décima edição de A Fazenda, concluída ontem (13) com a vitória de Rafael Ilha, teve muitos méritos. Um deles foi a revitalização do próprio formato, que andava meio desacreditado até mesmo dentro da própria RecordTV, após muitas edições fracas e sem apelo.

Mas outro mérito foi dar nova perspectiva à carreira televisiva de Marcos Mion, que se firma como um dos principais nomes da nossa TV, além de fortalecer Nadja Pessoa como uma das figuras midiáticas mais interessantes de 2018.

Como é de praxe em reality shows de confinamento e convivência, o elenco bem montado foi fundamental para o sucesso desta edição de A Fazenda. E, dentre tantas figuras explosivas e controversas, o maior destaque foi Nadja Pessoa. “Cria” da RecordTV, Nadja se destacou no Power Couple, onde participou ao lado do marido, o cantor D’Black.

Enxergando ali o potencial de criadora de polêmicas da jovem, a emissora tratou de trazê-la para A Fazenda. E a moça retribuiu a confiança do canal ao fazer de sua passagem relativamente curta pelo programa algo bastante marcante.

Dentre tantos jogadores com potencial para a confusão, Nadja se destacou. Conseguiu até ofuscar Ana Paula Renault, que entrou em jogo amparada por um fã-clube poderoso. Mas até mesmo ela sucumbiu diante de Nadja, que não poupou esforços para tirar todo mundo do sério.

Sem Ana Paula à sua frente, a jovem despontou como favorita, mas foi traída pelos próprios impulsos. Acabou expulsa ao agredir Caíque Aguiar. No entanto, mesmo fora de cena, sua presença ausente se tornou a sombra desta edição de A Fazenda.

Não se pode desmerecer Rafael Ilha. Outro jogador polêmico, Ilha surpreendeu ao adotar uma postura que o permitiu ler o jogo inteiro. Por conta disso, conseguiu adotar estratégias eficientes que o levaram até o final.

Mas a grande protagonista desta edição de A Fazenda, sem dúvidas, foi Nadja Pessoa. Tanto que já emplaca um terceiro reality nos domínios da RecordTV, desta vez para a plataforma PlayPlus. Ou seja, ela deixou sua marca.

Marcos Mion foi o dono de A Fazenda
Além do bom elenco, não há como falar desta edição de A Fazenda sem exaltar as qualidades de Marcos Mion à frente do jogo. Que Mion é um talento da televisão brasileira, não é novidade.

Mas, convenhamos, ele andava meio apagadinho em seus últimos momentos no Legendários. O comando de A Fazenda, então, serviu como um bom chacoalhão em sua carreira televisiva. O reality mostrou que Mion ainda tem muito a oferecer.

Além de ser bom de câmera, improviso e esbanjar jogo de cintura, Marcos Mion ainda carrega uma qualidade que devia ser constante aos âncoras de realities: ele gosta do que está fazendo. Mion gosta de A Fazenda e compreende os meandros do confinamento. Assim, ele passa credibilidade ao espectador, que embarca nas emoções da atração.

Marcos Mion fez muito bem à A Fazenda. O apresentador recuperou a imagem do reality, arranhada pela desastrosa passagem de Roberto Justus por ali. Mas A Fazenda também fez muito bem à Mion.

O programa deu fôlego novo ao apresentador, que se mostra como uma peça que não pode ficar fora da TV. Assim, Mion deve seguir no comando de A Fazenda. Mas a RecordTV poderia, também, dar mais espaço a ele. Ele merece.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Fonte de informação: Observatório da TV

DEIXE SEU COMENTÁRIO